Adole-ser: os porquês das alterações comportamentais

Adole-ser: os porquês das alterações comportamentais

1 de abril de 2018 Professores 0

Durante o começo da adolescência, lá pelos 10 anos de idade, acontecem muitas mudanças no corpo e também no comportamento que são relacionadas à puberdade.

Adolescentes são bagunçados, imprudentes, às vezes ficam agressivos, acham difícil se concentrar, são sonolentos e têm muita dificuldade de começar e persistir em tarefas que acham chatas.

Isso acontece por dois motivos principais:

1. o cérebro do adolescente ainda não está pronto. Em especial a parte do cérebro que fica atrás da testa (lobo frontal), uma estrutura essencial para o controle do comportamento.

2. o cérebro do adolescente não sabe bem ainda como lidar com um monte de substâncias, chamadas hormônios, que o corpo começa a produzir em maior quantidade nessa idade e que são levadas para o cérebro pelo sangue. O cérebro vai aprender a fazer isso ao amadurecer, mas esse processo é demorado…

Uma das mudanças que ocorre na adolescência chama-se “poda neural” ou “poda sináptica”.

Ou seja, ocorre remoção de parte de neurônios, as células do cérebro responsáveis pelos nossos comportamentos.

Veja mais detalhes sobre isso nesse vídeo.

Essa “faxina” de neurônios atinge partes do cérebro que regulam nossas ações.

Por isso, os adolescentes têm um comportamento que é diferente do de crianças e de adultos.

Nessa fase, também ocorrem outras mudanças que permitem com que o cérebro atinja seu máximo potencial na idade adulta.

É como se, durante a adolescência, o cérebro ficasse sendo “atualizado”, como um programa de computador, da “versão crianças” para a “versão adulto”.

Esse processo é bem lento.

Algumas habilidades mentais ficam prontas antes; outras, só no final da adolescência.

Isso explica porque adolescentes podem aprender matérias complicadas na escola e, ao mesmo tempo, não conseguir fazer coisas simples, como se organizar, uma habilidade que só amadurece mais tarde.

O que os professores devem saber, então?

Devem saber que os comportamentos de adolescentes que parecem inadequados não o são só por má vontade dos jovens.

Para que eles se comportem como os adultos querem, precisam fazer muito, MUITO esforço.

Assim, professores têm que ter muita, MUITA paciência e repetir, repetir, repetir instruções e dar muitas oportunidades de que os jovens realizem as tarefas que são deles exigidas.

Basicamente, professores têm que oferecer oportunidades para treino das habilidades que todos temos que ter quando nos tornamos adultos.

É desse treino repetido que resulta em um cérebro mais bem formado.

Se quiser se aprofundar no assunto, sugerimos que leia o livro “O Cérebro Adolescente, Guia de Sobrevivência para Criar Adolescentes e Jovens Adultos”, de Frances E. Jensen e Amy E. Nutt. Editora: Intrínseca, 2016.

Não deixe de acompanhar o site da Rede Nacional de Ciência para a Educação!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *