O que acontece no cérebro na adolescência

O que acontece no cérebro na adolescência

2 de março de 2018 Pais 3

No cérebro existem dois tipos principais de células. Os neurônios (essas ilustrações em azul abaixo) são as células que identificam o que acontece dentro e fora do corpo e regulam nossos comportamentos.

Os neurônios têm vários “braços” que agem como cabos de internet.

Um braço especial, chamado axônio, manda informações para outros neurônios, que as recebem por outro tipo de “braços”, os dendritos.

A seta vermelha indica a passagem de informações de um neurônio para outro.

Cada neurônio recebe informações de muitos neurônios e as transmite para diversos outros.

Essa comunicação é necessária porque o cérebro tem várias partes que são responsáveis por fazer coisas diferentes: perceber informações como sons, imagens, sensações, gerar pensamentos, lembrar das coisas…

Assim, neurônios de todas as regiões têm que se comunicar para que o cérebro consiga juntar todas as informações de dentro do corpo, dos nosso pensamentos e do mundo para produzir comportamentos adequados.

O cérebro tem outro tipo de células comuns, as células da Glia.

Elas protegem os neurônios, lhes fornecem nutrientes, oxigênio e removem “sujeira”.

Elas produzem também uma substância branca tipo borracha (mielina) que recobre parte dos neurônios.

A mielina age como revestimento de cabos elétricos: faz as informações passarem mais rápido entre neurônios.

O cérebro também tem substância cinzenta, que é composta das partes de neurônios que não têm essa substância branca.

Acontece que, na adolescência, essa parte cinza do cérebro é reduzida, podada.

Essa poda é rápida e ocorre no começo da adolescência. Sobram somente as partes cinzas úteis para a vida adulta.

Imaginem: o cérebro meio que fica mais “oco”!

O aumento da mielina pode compensar essa perda, porque melhora a eficiência de comunicação entre neurônios.

Mas a quantidade de mielina aumenta bem lentamente.

Além disso, as partes do cérebro que captam emoções ficam super ativadas no começo da adolescência.

Isso faz com que: a) adolescentes sintam mais fortemente as coisas que acontecem com eles; e b) tenham muito tédio quando não estão sendo estimulados.

Porém, as regiões do cérebro que controlam os comportamentos e emoções (na parte frontal do cérebro) só ficam maduras e bem mielizadas bem mais tarde, no fim da adolescência.

Só então nos tornamos melhores em controlar nossos comportamentos e emoções.

Tudo isso conjuntamente gera parte da “bagunça” no comportamento de adolescentes: o cérebro está mais “oco”, processa emoções de forma mais intensa e não está preparado ainda para controlar os comportamentos e sentimentos.

Isso resulta em maior impulsividade e tomada de riscos, falta de concentração e organização e grande flutuação no humor (euforias, tédio e depressão).

A boa notícia é que com o tempo e com bastante treino, o cérebro fica otimizado.

Portanto, adolescentes têm que fazer MUITO esforço para se comportar como querem os adultos.

Eles conseguem, mas precisam treinar. Enquanto treinam, os adultos têm que servir de cérebro backup.

Veja mais detalhes sobre isso nesse vídeo.

3 comentários

  1. […] Uma das mudanças que ocorre na adolescência chama-se “poda neural” ou “poda sináptica”. […]

  2. […] Que se sintam assim é normal e isso melhora à medida que seu cérebro amadurece. […]

  3. […] reflete falta de amadurecimento cerebral. Concentrar-se exige muito controle, que eles ainda não […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *